Um novo empreendedor: os primeiros passos – Parte III

Os desafios de fazer uma startup crescer: escala, foco e diversificação de produtos

Este é o último artigo da série que acompanha o início da carreira de um empreendedor: a criação da startup, a decisão de largar o emprego, os medos e todos os momentos que marcam a vida de quem decide empreender. O personagem desses artigos é Tiago Sizenando, 31 anos, belo-horizontino e sócio da Cybergia, startup da área de saúde que oferece um sistema que capacita usuários a adotar naturalmente hábitos de vida saudáveis. Apontamos em cada artigo os aprendizados importantes para os empreendedores que se identificam com cada uma das fases de abertura de um novo negócio.

No primeiro artigo, conhecemos os primeiros passos de um novo empreendedor, da identificação da oportunidade de negócio até a decisão de largar o emprego. Leia o primeiro artigo da série: Um novo empreendedor: os primeiros passos – Parte INo segundo, focamos nos primeiros passos da startup, discutindo sobre levantamento de capital e os primeiros clientes. Leia mais aqui: Um novo empreendedor: os primeiros passos – Parte II.

Neste último artigo vamos conhecer como o empreendedor planeja o crescimento da Startup.

cybergia 3

Leia também
3 dicas rápidas para escalar sua startup
Por que as startups acabam? 

A escala da startup

Para a maioria das startups, crescer significa atingir escala. O aumento de clientes sem aumentar a estrutura é o que constrói os grandes casos de sucesso no meio, bem como é o que leva ao fracasso de vários negócios. Os grandes casos de sucesso como Tumblr, Youtube e Instagram, que focaram na escala, ofuscam os milhares fracassos para cada sucesso. Antes de crescer, a startup deve focar em se tornar rentável. A receita deve ser maior que as despesas e os custos. Um resultado positivo dá confiança que o negócio pode chegar aos seus objetivos e que não depende sistematicamente de investimentos.

olho novo emp IIICrescer faz parte do planejamento do Tiago e da sua startup, a Cybergia. “Temos uma previsão de captação de clientes para os próximos 5 anos, que utilizamos como uma meta interna para acompanhar o que conseguimos alcançar”, afirma ele. Para alcançar escala, a estratégia adotada é construir casos reais de clientes que já adotam a solução da Cybergia. “Focamos nossos esforços de vendas nas empresas que já investem na promoção da saúde e do bem-estar dos seus funcionários e são publicamente reconhecidas como melhores empresas para se trabalhar. Acreditamos que são essas as que precisam dos menores esforços de vendas para entenderem a nossa solução e que depois servem de vitrine para o crescimento da nossa startup neste mercado”, conta.

Diversificação dos produtos

Focar em um produto só ou tentar diversificar o portfólio do negócio? Enquanto para uns diversificar significa perder eficiência por dividir esforços, para outros focar significa perder oportunidades de novos produtos e mercados. Apesar de não existir uma resposta correta para aquela pergunta, o que se observa no meio do empreendedorismo é o seguinte: enquanto startup, enquanto um negócio em formação, foque em entregar o seu produto/serviço que tenha uma proposta de valor clara para o mercado. Depois da consolidação da startup, enxergue novas oportunidades. Um caso brasileiro: a Samba Tech surgiu fazendo distribuição de conteúdo digital dos clientes para públicos específicos, como um Youtube personalizado. Tornou-se então a Samba Group que, além da Samba Tech, tem a Sambaads, com foco em publicidade em vídeos online, e a Adstream Samba, com foco no processo de envio de vídeos de agências para emissoras.

No caso da Cybergia, Tiago conta os planos de diversificação dos produtos da startup: “Está nos nossos planos diversificar tanto o produto em si – inclusive lançando-o para o consumidor final em versão para dispositivos móveis – quanto nossos clientes, que hoje se restringem a médias e grandes empresas intensivas em capital intelectual, como empresas do setor Financeiro, Educação, Tecnologia da Informação, Saúde e outros”.

Depois de passar pelos primeiros passos do novo empreendedor e da startup e pelo desafio de fazer o negócio crescer, encerramos essa série Um novo empreendedor com algumas referências indicadas pelo Tiago para todos os outros novos empreendedores:

Technology Entrepreneurship (partes 1 e 2) – curso oferecido pela Universidade de Stanford

The Four Steps to the Epiphany: Successful Strategies for Products that Win – Steve Blank

Tunning Lean: Iterate from a Plan A to a Plan That Works – Ash Maurya

Para relaxar um pouquinho, o Tiago ainda recomenda os episódios do reality show Shark Tank ou o Dragon’s Den, ambos disponíveis no Youtube. Segundo ele, o desafio é parar de assisti-los!

 

Via 1, 2

Tags

Comentários